Norma Bruno

De Humanas, Demasiado de Humanas

Categoria: Crônicas D’Além Mar

Em Lisboa! Em Lisboa!

E lá estávamos nós no Faia de novo. No ano anterior levei também a maior parte da minha coleção de João, faltou um, agora éramos apenas eu e a Filha. Reserva feita, mesa boa, adentramos ao Salão ao fim da cantoria de uma jovem fadista de quem, infelizmente, não sei o nome. Nos intervalos entre os fadistas serve-se o jantar.

Sucedem-se os magistrais Anita Guerreiro e António Rocha, fadistas residentes, dois dos grandes nomes do Fado ao qual, como manda a tradição, se devota o mais profundo respeito. Anunciado o fadista, ninguém entra, ninguém sai, cessam todos os serviços. É inútil fazer meneios ao garçom. Ele não sairá do seu posto até o fim da cantoria. Alguém diz, solenemente:

– Silêncio! Vai-se cantar o Fado!

Eu já começo a chorar. A Filha ri. De mim. Seguem-se os clássicos. Na mesa ao lado, duas turistas de meia-idade (na verdade, mais pra inteira do que pra meia), cabelos louríssimos e quase transparentes de tão brancas, insistem em filmar o show apesar da proibição. O garçom se obriga a contrariar o protocolo e vem chamar-lhes atenção. Eu já votando pela expulsão sumária!

Por fim entra Lenita Gentil com sua voz potente colocando o povo todo a cantar e bater palmas com seu Fado mais alegre, mais bailante. Eu na bateção de palmas e à espera de um dos meus  favoritos e que virou brincadeira entre nós, eu e os filhos, para identificar onde estamos no exato momento quando perguntados. Pois não é que a Galega terminou o show, bisou e não cantou a tal música?

Contrariada, na saída me deparei com ela no saguão. Segurei suas mãos, olhei nos seus olhos e, desabusada, reclamei:

Vim do Brasil pra te ouvir cantar “Lisboa, em Lisboa!” e não cantaste!

– “Lisboa Cidade Sol”!

Essa!

Volta!

Volto!

Ela que mandou. Não tenho culpa!

Pelo Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Honra aos ancestrais!

A Feira da Ladra

Feira da Ladra

Enquanto me arrumo a Filha entra no Google em busca de mais informações. Está tudo lá: a Feira da Ladra é um Mercado de Pulgas muito popular situado no Campo de Santa Clara, em Lisboa, cujas raízes remontam ao século XIII, na Freguesia de São Vicente de Fora.

O início teria se dado no Chão da Feira, no Rossio, em 1272, tendo presumidamente permanecido ali até 1552, segundo registro. A partir daí a Feira teria migrado de sítio em sítio, sem perder a sua principal característica. Na Feira da Ladra vende-se de um tudo e muitas outras coisas. Sua peculiar denominação consta em documento oficial de 1610.

Após o “terramoto” que devastou Lisboa em 1755, a Feira instalou-se na Cotovia de Baixo, hoje Praça da Alegria, alternando períodos entre esse sítio, o Campo de Santana (1823) e o Campo de Santa Clara (1835) onde, a partir de 1882, se fixou de vez.

Terça é, desde o início, o dia tradicional da Feira, mas a partir de 1903, quando o segundo dia foi implantado, o sábado é de longe o dia mais concorrido. Por isso mesmo tínhamos programado o sábado, dia 14, mas uma vez que tivemos que retornar à Aveiro já que nos vimos desalojadas em Lisboa, o que nos sobra é a terça. Diante das circunstâncias, nos damos por satisfeitas.

Da Padaria Portuguesa onde fazemos o Pequeno Almoço, seguimos direto para a Feira da Ladra de Tuk Tuk, o que é em si, uma experiência. – Mãe, olha esse comentário aqui no site da Feira:– Socorro!!!! Quero sair daqui!!!! Horrível essa Feira da Ladra! Só tem velharia!” Desatamos a rir enquanto o Tuk Tuk se esforça para subir a colina e eu penso que esse é um nome adequado para esse veículo.

A Arcada do Castelo descortina um verdadeiro portal: estamos na Feira da Ladra. Depois de um quase entrevero com o condutor do Tuk Tuk que tenta nos aplicar o golpe do “não tenho troco” para cobrar vinte euros por uma corrida de quinze, saímos a andar, maravilhadas. Entre os feirantes, muitos ciganos, muitos indianos, a maioria sem falar uma única palavra em português, mas fazendo troco muito bem, e negros com jeito de a recém-chegados ao país.

A manhã se esvai rapidamente entre bugigangas e preciosidades e não é preciso andar pra muito para constatar: – Eu quero morar aqui, Filha!!!!! – Só tem velharia!, completamos a frase em uníssono. A Filha é das minhas! Quanto ao nome da Feira… Chuta!

Lisboa, 17 de Outubro de 2017

*Sobre as emoções de virar sem-teto em Lisboa a gente conversa outro dia.

Janela de Cronista

IMG_20171012_145539880 (1)

A Casinha é mágica! Há um banco de pedras junto à janela. Já vejo a senhorinha lendo,  bordando, cosendo, remendando ceroulas enquanto especula a vizinhança. Mas não é só. Há um detalhe inusitado: na janela da sala há um curioso “olho mágico” para que a especuladeira possa assuntar a vida alheia sem ser observada. Há um olho mágico também no quarto para o caso de uma “emergência” durante a madrugada.  Não, não eram fofoqueiras as senhorinhas. Eram apenas as cronistas de antanho. Afinal, o que é um cronista senão alguém que observa a vida alheia sem ser visto e depois sai contando as coisas pra todo mundo?

IMG_20171012_143047121_HDRCasinha da Rua da Bica de Duarte Belo no Chiado, em Lisboa

 

*As especuladeiras da Ilha de Santa Catarina têm tradição!

 

“Não me Venhas de Borzeguins ao Leito!”

IMG_20171017_101011376

O Bacalhau vem muito bem servido. Delicioso! Ainda assim como pouco. Afinal, estamos há “dezassete” dias passando bem e temos mais quatro dias de orgia gastronômica pela frente. Peço a conta. O garçom, mal-humorado, como a maioria dos portugueses, me chama na chincha! – O que há de errado com o Bacalhau?? – Nada, é que veio muito, respondo sem esconder a surpresa. – Veio a quantidade certa! Argumento que fiz o “pequeno almoço” muito tarde isentando o pobre bacalhau de toda e qualquer responsabilidade. Ele se dá por satisfeito. Simpatizo com pessoas que têm orgulho de ser quem são!

Alfama, Lisboa, 17 de outubro de 2017

*Algo que aprendi sobre os garçons portugueses: se não vier azeite à mesa, não peça. Das vezes em que isso aconteceu a resposta foi a mesma: – O prato já foi preparado com azeite! Posso estar enganada, mas…

Questão de Respeito

Como requer a ocasião, ponho-me nos brincos, no batom vermelho e no vestido compridão. Muito a contragosto enfio os pés nas sandálias rasteiras, companheiras inseparáveis no teste do joelho operado nas ladeiras do Porto e de Lisboa. Vencida a prova, mais uma, chegamos finalmente ao tal sítio.

A fachada de azulejos é belíssima em sua simplicidade e uma porta estreita conduz ao interior da casa situada um nível abaixo da rua. Acompanhada dos filhos, ô delícia!, adentro o pequeno saguão de teto baixo e cumprimento o casal idoso de aparência distinta que lá se encontra.  O cavalheiro, sentado numa poltrona à esquerda, não nos olha, nem responde. A senhora, de perfil, apoiada numa cadeira alta, de bar, cotovelo  sobre o antigo balcão de madeira, parece cochilar. Acomodados nas poltronas disponíveis, ficamos à espera da liberação da nossa reserva o que deve acontecer no próximo intervalo, diz o moço.

Convidados ao salão, retiro minha sandália de salto agulha da bolsa e já estou a calçá-las quando a senhora volta os olhos para mim (e eu pensando que ela não tinha nos visto!) e diz:

Não precisa.

Precisa sim, vou ouvir o Fado! Respondo sorrindo.

O pé fica embaixo da mesa, ninguém vai ver, ela minimiza.

É verdade, eles não saberão, mas eu sei.

Ela me lança um meio sorriso e dá de ombros, mas sinto que, no fundo, me compreende porque traz uma flor no cabelo e tem a boca e as unhas tingidas de vermelho.

Sentamos à mesa enquanto a fadista é anunciada. Sob intensos aplausos a fadista entra. A tal senhora. Ela mesma. Anita Guerreiro. Entra e canta isso.

Fiz bem em trazer o salto agulha. Mais que uma questão de respeito, reverência. Bravo, Anita!

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén